Atenção: as imagens contidas no blog são de domínio público e/ou retiradas do Google. Se você, por algum motivo, sentir-se ofendido ou agredido com alguma imagem ou texto postados neste blog, entre em contato e a mesma, se este for o caso, será retirada. Caso a imagem seja sua, avise-me para que eu lhe credite a autoria.CONTATO cratonoticia@gmail.com/WHATSAPP [88] 9 9788 5932

segunda-feira, 19 de junho de 2017

Balanço parcial registra 54 assassinatos no Ceará no feriadão de Corpus Christi

Entre quinta-feira e o domingo, a Grande Fortaleza registrou 29 homicídios e o interior 25 casos. Entre os crimes, três casos de latrocínio (roubo seguido de morte).
Dois homens com idades de 18 e 27 anos, foram mortos, a tiros, na tarde de domingo (18), em meio a um tiroteio em um condomínio residencial no Município de Maranguape, na Região Metropolitana de Fortaleza (RMF). Maílton Felipe da Silva, 27; e Wesley Alves de Sousa, 18, estão entre as 54 pessoas assassinadas no Ceará no feriadão de Corpus Christi.

Entre a quinta-feira (15) e o começo da madrugada desta segunda (19), a Polícia registrou 14 assassinatos na Capital cearense, 15 na Região Metropolitana de Fortaleza, 17 no Interior Sul e mais oito no Interior Norte, totalizando 54 Crimes Violentos, Letais e Intencionais (CLIs). O número, no entanto, ainda é parcial e pode crescer com o fechamento das estatísticas dos organismos da Segurança Pública nesta segunda-feira (19).

Mortes

Em Fortaleza, 14 pessoas foram assassinadas nos quatro dias nos seguintes bairros: Jardim América (2), Bonsucesso (2), Barra do Ceará, Autran Nunes, Cidade dos Funcionários, Mondubim, Messejana, Genibaú, Passaré, Parque São José, Vila Velha e Papicu.

Na Região Metropolitana de Fortaleza (RMF), foram registrados 15 assassinatos nos quatro dias, nos seguintes Municípios: Caucaia (5), Maranguape (3), Horizonte (2) São Gonçalo do Amarante, Itaitinga, Pacajus, Maracanaú e Eusébio.

Interior

No Interior Sul, foram 17 homicídios nos municípios a seguir: Crato (3), Juazeiro do Norte (2), Limoeiro do Norte (2), Pedra Branca (2), Milagres, Fortim, Irapuan Pinheiro, Quixeré, Mombaça, Tabuleiro do Norte, Russas e Solonópole.

A região Interior Norte foi a que apresentou a menor taxa de homicídios no período do feriadão, com apenas oito registros de assassinatos nos seguintes Municípios: São Benedito, Itapajé, Sobral, São Luís do Curu, Marco, Cruz, Boa Viagem e Miraíma.

Já os casos de acidentes de trânsito as estatísticas da Polícia Rodoviária Federal (PRF) e do Batalhão de Policiamento Rodoviário Estadual (BPRE) serão divulgadas somente nesta segunda-feira.

Acidentes

Um dos desastres ocorridos no feriadão aconteceu às 19h30 de sábado último (17), na rodovia estadual CE-187, na localidade de Badarro, zona rural do Município de Quiterianópolis (a 397Km de Fortaleza), quando de uma colisão entre uma motocicleta e uma bicicleta, causando a morte de duas pessoas.

As vítimas fatais foram identificadas como Domingos Miranda da Silva, 58 anos, ciclista; e Júnior Alves Pereira, 21, piloto da moto. Um terceiro homem, garupeiro da moto, ficou gravemente ferido e está hospitalizado. Os corpos das vítimas foram encaminhados ao Núcleo da Perícia Forense do estado do Ceará (Pefoce) da cidade de Tauá.

E no começo da manhã desta segunda-feira (19), outro acidente deixou uma pessoa morta na estrada que liga o Distrito de Palestina à cidade de Mauriti, na zona Sul do Estado (a 507Km de Fortaleza).

Via Cearanews7

TRAGÉDIA: Incêndio em Portugal dura mais de 24 horas; mais de 60 morreram



Mais da metade das vítimas (30) morreu carbonizada dentro de seus carros na estrada entre Figueiró dos Vinhos e Castanheira de Pêra.

incêndio florestal que atinge Pedrógão Grande, na região de Leiria, no centro de Portugal, já dura mais de 24 horas. No último balanço divulgado na manhã deste domingo (18), 61 pessoas morreram e 54 ficaram feridas, de acordo com a mídia portuguesa. O incêndio já é considerado uma das maiores tragédias dos últimos 50 anos no país.
Carro incendiado abandonado em rodovia após incêndio florestal perto de Pedrógão Grande, na região central de Portugal (Foto: Rafael Marchante/Reuters)
As autoridades chegaram a dizer que 62 tinham morrido e 59 tinham ficado feridos, mas recuaram. A expectativa é de um aumento nesse balanço nas próximas horas. A hipótese de incêndio criminoso foi descartada e as equipes de resgate, com cerca de 1,6 mil integrantes, estão mobilizadas.

Mais da metade das vítimas (30) morreu carbonizada dentro de seus carros na estrada entre Figueiró dos Vinhos e Castanheira de Pêra, que foi tomada pelo fogo no sábado (17). O secretário de Estado da Administração Interna, Jorge Gomes, informou que, entre os feridos, 18 foram levados para hospitais. Quatro bombeiros e uma criança estão em estado grave.

Sobreviventes relatam cenas de desespero e dizem que as chamas se espalharam rapidamente. Na noite de sábado, Rodrigo Rosário, de quatro anos, e o tio, Sidel Belchior, de 37 anos, morreram ao tentar fugir do incêndio. O carro em que eles estavam se envolveu em um acidente com outro veículo, em Nodeirinho.

O tio, o sobrinho e o motorista do outro carro ainda conseguiram deixar os automóveis, mas uma árvore em chamas caiu na estrada e eles não conseguiram escapar, segundo o jornal português “Diário de Notícias”.

O fogo começou por volta das 15h de sábado horário local (11h em Brasília). Além dos mais de 1,6 mil integrantes das forças de segurança, 495 veículos foram mobilizados para combater as chamas. Cerca de 150 pessoas estão desabrigadas, depois que as equipes de segurança esvaziaram três aldeias. A intensa nuvem de fumaça impediu a circulação de aeronaves que poderiam ajudar no combate às chamas nesta manhã. A União Europeia ofereceu ajuda a Portugal.


'Trovoadas secas'

"A dimensão deste fogo foi tal que não temos lembrança de tal tragédia humana", disse o primeiro-ministro português, Antonio Costa, quando chegou a Pedrogão Grande, uma área montanhosa cerca de 200 km a nordeste de Lisboa.

O diretor nacional da Polícia Judiciária, Almeida Rodrigues, descartou que incêndio seja criminoso. "Tudo aponta muito claramente para que sejam causas naturais. Conseguimos determinar que 'trovoadas secas' estejam na origem do incêndio. Encontramos uma árvore atingida por um raio", afirmou.

As ‘trovoadas secas’ são chuvas que evaporam antes de chegar ao solo, mas que são acompanhadas por raios que provocam faíscas ao tocar a superfície. Na ausência de água e na presença do vento, as chamas se espalham rapidamente. Os "ventos descontrolados" transformaram um fogo de pequenas dimensões em "um incêndio impossível de controlar".

As chamas se espalham a partir de quatro focos pela região, que fica próxima a Coimbra e entre as duas maiores cidades portuguesas: Lisboa e Porto.

Fonte: G1