Atenção: as imagens contidas no blog são de domínio público e/ou retiradas do Google. Se você, por algum motivo, sentir-se ofendido ou agredido com alguma imagem ou texto postados neste blog, entre em contato e a mesma, se este for o caso, será retirada. Caso a imagem seja sua, avise-me para que eu lhe credite a autoria.CONTATO cratonoticia@gmail.com/WHATSAPP [88] 9 9788 5932

segunda-feira, 12 de junho de 2017

Bebê nasce com mais de 6kg e mãe brinca: "Ela é tão grande"


(Foto: Arquivo pessoal)


Todos os pacotes de fraldas comprados para a recém-nascida Carleigh tiveram que ser deixadas de lado. É que a menina, que nasceu no último dia 15 de maio, na Flórida, nos Estados Unidos, veio ao mundo com mais de 6kg. No registro de nascimento, consta que ela saiu da barriga da mãe, Chrissy Corbitt, com 13,5 libras (ou 6,12kg).

"Parecia que eles tiraram uma criança crescida da minha barriga. Ela é tão grande!", comentou, à BBC News, a mãe, que já tinha dado a luz a outras quatro crianças. Nenhuma desse tamanho.

"Enquanto o médico estava tirando ela de mim, eu apenas ouvia as outras pessoas rindo e animadas na sala de cirurgia. Quando eles me mostraram que ela tinha 13,5 libras, eu não pude acreditar. Suas bochechas são eram tão fofas e ela era tão gorda", continuou a mãe coruja.

Só que, ao nascer já tão grande, Carleigh gerou um problema para a família. As fraldas compradas para recém-nascidos não servem nela. Com 20 dias, ela já tem o tamanho de um bebê de nove meses. Duas fábricas famosas de fraldas foram procuradas para que ajudassem.

O curioso é que a bebê poderia ter vindo ao mundo ainda maior, uma vez que a expectativa é que ela nascesse só dali a uma semana. "Nas últimas três semanas de gestação, minha esposa não ganhou peso", contou o pai, Larry, citando que, há um ano, Chrissy sofreu um acidente doméstico e ficou com 27% do corpo queimado.
Fonte: UOL

Exame de sangue pode descobrir câncer anos antes de aparecer; entenda


O objetivo dos pesquisadores é que ele seja aplicado como um exame de sangue de rotina, como os feitos para detectar colesterol alto ou elevada pressão arterial (Foto: Reprodução)


O método conhecido como biópsia líquida é a nova descoberta mais eficaz para o tratamento de tumores. Com uma simples amostra de sangue, é realizada uma análise do DNA tumoral circulante (ctDNA), capaz de fornecer informações abrangentes sobre as alterações genéticas do tumor, que podem evoluir ao longo do tempo.

O estudo é do Centro de Combate ao Cancer Memorial Sloan Kettering, nos Estados Unidos. Segundo os cientistas, a expectativa é que o exame esteja disponível para a população em até dois anos com o objetivo de melhorar a qualidade de vida de pacientes com câncer.

Há poucos dias, os primeiros resultados foram revelados na conferência American Society for Clinical Oncology, em Chicago Os pesquisadores analisaram 161 pacientes já diagnosticados com câncer de mama, pulmão ou próstata e os resultados foram:

- o teste identificou algum tipo de tumor em 90% dos casos;
- exame poderia reduzir a taxa de mortalidade por câncer em até 45%.

Pacientes de maior risco; Amazon e Microsoft querem fazer até já em 2019
 
Os especialistas dizem que o teste inicialmente seria oferecido a pacientes com maior risco de câncer, incluindo idosos, fumantes ou com antecedentes familiares. Depois disso, seria lançado para outros. O objetivo dos pesquisadores é que ele seja aplicado como um exame de rotina, como os feitos para detectar colesterol alto ou elevada pressão arterial. A esperança é que, nesta fase, os tumores ainda sejam relativamente pequenos, de modo que possam ser removidos diretamente pela cirurgia.

A empresa Grail, apoiada por multibilionários como Bill Gates, da Microsoft, e Jeff Bezos, da Amazon, tem como objetivo realizar os primeiros testes de mercado até 2019.

Há pouco tempo, outro estudo realizado por pesquisadores australianos e americanos havia verificado a eficácia do mesmo teste para diagnosticar o câncer de pâncreas, sendo um dos tipos mais difíceis de tratar devido ao fato de ser descoberto somente em estágios avançados. A análise foi feita com 119 pacientes já diagnosticados com câncer de pâncreas, os resultados mostram que o método poderia detectar a doença em 55% dos casos.
Fonte: Diário do Nordeste