Atenção: as imagens contidas no blog são de domínio público e/ou retiradas do Google. Se você, por algum motivo, sentir-se ofendido ou agredido com alguma imagem ou texto postados neste blog, entre em contato e a mesma, se este for o caso, será retirada. Caso a imagem seja sua, avise-me para que eu lhe credite a autoria.CONTATO cratonoticia@gmail.com/WHATSAPP [88] 9 9788 5932

sábado, 10 de junho de 2017

Chikungunya resulta em 26 mortes no Ceará em 2017


Agente de endemias à caça do mosquito Aedes aegypti, transmissor da dengue, chikungunya e zika. (Foto: Reprodução/TV Tapajós)

Já chega a 26 o número de pessoas mortas em decorrência de chikungunya no Ceará, sendo 13 do sexo masculino e 13 do sexo feminino. As vítimas registradas tinham entre 10 e 92 anos de idade e eram residentes dos municípios de Fortaleza (20), Caucaia (3), Beberibe (1), Pacajus (1) e Senador Pompeu (1). As informações foram divulgadas na tarde desta sexta-feira (9), por meio do boletim epidemiológico da Secretaria Estadual da Saúde (Sesa).

No total, foram notificados 71.491 casos de chikungunya no Ceará em 2017, dos quais 30.627 foram confirmados. Há predominância de infecções ocorre no sexo feminino e em pessoas com idade entre 20 e 59 anos. A atual taxa de incidência da enfermidade é de 797,6 casos para cada 100 mil habitantes.

Só em Fortaleza, são 20.864 confirmações de chikungunya, o que corresponde a quase 70% do total de casos. Em relação ao controle do transmissor dos vírus da chikungunya, dengue e zika, o Aedes aegypti, a capital cearense configura-se em situação de média infestação predial, ou seja, a relação entre o número de imóveis onde foram encontradas larvas do mosquito e o montante total de residências pesquisadas. No Ceará, há 41 municípios têm alta infestação predial do transmissor.

Dengue

No que diz respeito a dengue, o Ceará notificou nesse ano 46.980 casos, dos quais 10.714 foram confirmados. Foram registrados também 63 ocorrências de dengue com sinais de alarme e outros dez de dengue grave, dos quais oito resultaram em óbito dos pacientes. Foram cinco mulheres e três homens, residentes nos municípios de Fortaleza (4), Itapajé (1), Maracanaú (1), Paracuru (1) e Tabuleiro do Norte (1).

Com uma taxa de incidência de 524,1 casos para cada 100 mil habitantes, o que também caracteriza o cenário epidêmico, as suspeitas da doença já chegaram a 180 dos 184 municípios cearenses. 


Fonte G1 Ceará

Crimes violentos aumentam em 65,3% em maio no Ceará



Os números comprovam que a violência no Estado do Ceará aumenta a cada mês. Ao todo, foram 471 Crimes Violentos Letais Intencionais (CVLIs) - homicídios, latrocínios e lesões corporais seguidas de morte - no último mês. Conforme levantamento da Secretaria de Segurança Pública e Defesa Social (SSPDS), o número é 65,3% superior quando comparado a maio de 2016.

Nesta sexta-feira (9), o secretário de Segurança Pública, André Costa, assumiu que o Estado enfrenta dificuldades. "A gente vê que os números falam por si só. É um momento difícil que passamos, e não por falta de trabalho e empenho. Trabalho tem tido. O momento é da população mostrar apoio aos policiais nas ruas", disse o titular da Pasta.

Em Fortaleza e sua Região Metropolitana, os registros alarmam ainda mais. Com 191 CVLIs, maio de 2017 foi 124,7% mais violento do que maio de 2016, quando houve 85. Já na RMF o número dobrou: foram 61 crimes violentos no quinto mês de 2016 e 122 no mesmo período de 2017.

Nos Interiores Norte e Sul também foi registrado crescimento da violência. A variação no Norte foi de 22%, e no Sul 7,5%. De janeiro de 2017 a maio de 2017, o acumulado no Estado é 22% maior do que a soma dos cinco primeiros meses de 2016.


Fonte Diário do Nordeste