Atenção: as imagens contidas no blog são de domínio público e/ou retiradas do Google. Se você, por algum motivo, sentir-se ofendido ou agredido com alguma imagem ou texto postados neste blog, entre em contato e a mesma, se este for o caso, será retirada. Caso a imagem seja sua, avise-me para que eu lhe credite a autoria.CONTATO cratonoticia@gmail.com/WHATSAPP [88] 9 9788 5932

sábado, 10 de junho de 2017

Vídeos mostram cenas de violência em centros educacionais; infratores promovem rebelião


post-feature-image

Uma nova rebelião foi registrada na noite desta quinta-feira (8) no Centro Educacional Patativa de Assaré, no bairro Ancuri, na Grande Messejana, zona Sul de Fortaleza. A unidade é destinada ao cumprimento de internação de adolescentes autores de atos infracionais.  Os menores atearam fogo nos colchões e destruíram, mais uma vez, várias dependências do Centro. A Polícia não informou se houve alguma fuga.

No entanto, nas redes sociais circula um vídeo que mostra quando um agente sócio-educador é tomado como refém por adolescentes durante uma fuga registrada naquela unidade. Os amotinados conseguem fazer um buraco no muro e fogem depois que o servidor é mantido com um “cossoco” (faca artesanal)  no pescoço, sendo ameaçado de morte o tempo inteiro.

No decorrer da fuga dos adolescentes, o agente por muito pouco não é atingido por tiros disparados por homens que passam pelo local no exato momento da fuga em uma caminhonete. Logo em seguida, são vistos policiais militares com armas na mão, atirando e correndo na rua em busca de recapturar os fugitivos.

Em outro vídeo postado na manhã desta sexta-feira nas redes sociais, é possível ver o fogo se espalhando pelas dependências do Centro Educacional.

Violência

Os agentes revelam que, constantemente, são alvos da violência praticada pelos menores infratores. Agressões físicas e verbais, ameaças de morte são corriqueiras, assim como nas rebeliões e tentativas de fuga em que eles acabam sendo mantidos reféns.

São fatos graves, mas repetitivos dentro das unidades que abrigam os adolescentes internados pela Justiça por conta da prática de crimes como roubo, assassinato, latrocínio, seqüestros-relâmpagos e tráfico de drogas.

À exemplo do que ocorre nos presídios, na maioria dos centros educacionais há constante superlotação, um dos motivos das recorrentes fugas e motins.

Créditos: Fernando Ribeiro via Ceará News7

Quadrilha presa em Fortaleza usava motosserra para arrombar e furtar veículos

post-feature-image

A polícia prendeu uma quadrilha que usava motosserra para roubar carros em Fortaleza. O grupo, formado por sete pessoas, foi preso na quarta-feira (7), e as informações foram divulgadas nesta sexta-feira (9) pela Polícia Civil.

Segundo policiais que participaram da operação, o bando roubava carros principalmente nos bairros São Gerardo e Parquelândia, duas das áreas de maior incidência desse tipo de crime, conforme a Polícia Civil.

Alguns deles tinham até 11 passagens pela polícia por crimes como roubo, assalto e homicídios, segundo apuração dos policiais. Os veículos eram abandonados no Conjunto Ceará; se o veículo não fosse rastreado e resgatado pelo proprietário alguns dias depois, o bando voltava a utilizar os carros para cometer outros crimes.

“Nossas equipes montaram uma campana desde 5h e já estavam dois carros lá, aguardando a quadrilha vir para cometer outros crimes. Foram abordos dois integrantes da quadrilha e foram presos numa moto roubada”, disse Fernando Cavalcante, titular da Delegacia de Roubos e Furtos de Veículos.

Ainda conforme o delegado, os policiais continuaram as investigações e prenderam o restante da quadrilha, com veículos e uma motosserra, utilizada para arrombar os carros. “Examinando o aparelho celular deles encontramos um vídeo, ele conversando com uma pessoa de dentro de um presídio explicando como utilizar uma motosserra e como é utilizada para cortar o corpo dos inimigos, dos oponentes”, afirma o delegado.

Com o grupo, os policiais apreenderam também alianças supostamente de pessoas vítimas dos assaltos do bando e armas.
Créditos: G1

Corpos de irmãs sequestradas são encontrados sem cabeça e queimados


post-feature-image

Duas jovens que foram sequestradas na cidade paraguaia de Pedro Juan Caballero foram encontradas carbonizadas dentro de uma carroceira de uma caminhonete, nesta quinta-feira (8), na fronteira de Ponta Porã, no Mato Grosso do Sul. As vítimas foram identificadas pela polícia como as irmãs Fabiana Aguavo Baez, de 23 anos, e Adriana Aguayo Baez, de 28 anos.

Segundo informações divulgadas pela polícia, o principal suspeito der ter mandando assassinar as jovens é o ex-esposo de uma das vítimas, Juliano Pereira, de 39 anos, que está preso em uma cadeia na cidade de Campo Grande (MS). De acordo com a polícia paraguaia, ele não aceitava o fim do relacionamento que tinha com Fabiana e começou a ameaçar de morte a vítima de dentro da cadeia.

Conforme informações divulgadas por meios de comunicação, por volta das 13 horas de quarta-feira (7), vários homens encapuzados invadiram a residência das vítimas, localizada no bairro Obrero, em Pedro Juan Caballero. Em seguida, mataram um cachorro das vítimas com três tiros e as sequestraram.

Conforme informações da polícia, por volta das 1 hora da madrugada desta quinta-feira, os corpos das duas irmãs foram encontrados decapitados e carbonizados dentro de uma carroceira de uma picape a cerca de 8 quilômetros da fronteia de Ponta Porã com Pedro Juan Caballero.

De acordo com a imprensa local, na cena do Crime, policiais encontraram um machado e uma motosserra, que possivelmente foram usados para assassinar as vítimas. A cabeça das duas jovens não estava no local do crime.

Para a polícia o principal acusado de ser o mandante do duplo homicídio é o ex-esposo de Fabiana, pois, ela tinha terminado o relacionamento com ele há cerca de 15 dias. Desde então, Juliano começou a ameaçar a fazer várias ameaças de morte contra a vítima de dentro da cadeia.

Segundo relatos, ele tem vários privilégios por “colaborar” com as autoridades brasileiras. De acordo com a polícia, às duas cabeças das irmãs foram encontradas na manhã desta quinta-feira. Elas estavam separadas dentro de sacos plásticos.

Segundo informações divulgadas pela polícia paraguaia, a suspeita é que ambas as vítimas foram torturadas e, em seguida, tiveram partes de seus membros decapitados do corpo. Depois, a partes foram levadas até o local onde foram encontrados e carbonizados. A polícia abriu um inquérito e o caso segue sendo investigado. Até o fechamento deste artigo, a polícia não localizou os autores do duplo assassinato.
Créditos: NOTÍCIASF5 via Blasting News